sexta-feira, 20 de maio de 2011

sem ti

E aqui me deixaste tu,
De olhos parados
nas corolas das flores.
Com as mãos lassas
Na seda dos lençóis
A mordiscar, ausente,
Os caules frágeis.

a respiração magoada
e nos olhos oblíquos
o brilho que fenece.

19/04/2011

1 comentário:

Arquiteto de Almas disse...

Olá, devo-te chamar de Eulalia ou de Clarice Silvestre, estive cá a visitar teu blog e antes o teu espaço no recanto das letras, contudo não encontrei um endereço de e-mail para escrever-lhe.
Sendo assim faço uso deste espaço para solicitar de ti permissão para postar em meu blog: http://arvoredossentimentos.blogspot.com - um texto de tua autoria [Cais de Partida], para tal se possível aceites, aguardo comunicado com nome certo a postar, cidade e País, e possíveis correção que se façam necessárias. Publicarei neste sábado 21/05 - Brasil as 22hs, para tanto preciso confirmação positiva ou negativa até sábado: às 18hs.
Grato
CeGaToSi
[Lembra-te: é um convite]